© 2015 Dr Hailson Fabio
Suporte HF Cursos Terapias Integrativas
Atendimento em Horário Comercial
WhatsApp: (22) 998978414

Bio-Magnetismo: Tumores e Associações

June 30, 2016

O TUMOR E A ASSOCIAÇÃO ENTRE MICRORGANISMOS

 

 

 

Somente os vírus estruturais ou metabólicos com pesos moleculares extremamente altos tem condição energética suficiente para ultrapassar a membrana celular e ir para o citoplasma e chegar ao núcleo da célula, iniciando o processo de irritação - excitação - anomalia cromossômica e como todos os vírus, tem uma composição de proteína no capsídeo que no momento de se ligar na membrana da célula fica aderido a ela para reforçando a sua estrutura, mas não na célula indiferenciada, onde a membrana celular é virtual, uma vez que não amadureceu.

 

Perfurada a membrana celular, o citoplasma celular, a membrana do núcleo celular fica vulnerável e é facilmente invadida pelo vírus que promove uma alteração genética dando origem a uma má formação nesta célula e nas futuras que surgirão pela mitose.

 

Assim, o padrão fisiopatológico do verdadeiro fenômeno tumoral do câncer é estabelecido.

 

A associação de bactérias a um vírus patogênico, resulta nos tumores benignos que recebem a denominação através da célula em que se deu a origem do tumor mais o sufixo "oma", por exemplo:

 

Astrocitoma: são tumores de células gliais, de crescimento muito lento, com tendência a formar cistos e que podem se desenvolver em qualquer região do cérebro. Os locais mais comuns são: cerebelo, hipotálamo, nervo e quiasma ótico e na ponte.
Lipoma: tumor benigno de células adiposas.
Meningioma: tumor benigno do sistema nervoso central que se desenvolve a partir das células das meninges.
Mioma: tumor benigno de células musculares, de ocorrência muito comum no útero.
Neurinoma: tumor geralmente benigno, porém às vezes canceroso, que se forma na camada de mielina de um nervo. Quando atinge uma estrutura nervosa da audição é chamado de neurinoma acústico.
Osteoma: tumor benigno de células ósseas, de crescimento lento. Este tipo de tumor se desenvolve quase que exclusivamente no crânio e na mandíbula.
Sarcoma de Kaposi: antes do surgimento da AIDS e do sucesso dos transplantes de órgão, o sarcoma de kaposi era um tumor raro. No entanto, com o início da epidemia da AIDS, em meados de 1981, observou-se um grande número de homossexuais com lesões avermelhadas na pele, sempre associadas com outras doenças oportunistas como a candidíase oral e a infecção por pneumocystis carini. Tipicamente, essas lesões afetam a pele e os linfonodos, sendo que o acometimento de outros órgãos mais raro.

Outros términos utilizados em tumores:

 

Hipertrofia: aumento do volume de células ou tecidos.

Hiperplasia: o aumento do número de células normais.

Metaplasia: alteração anormal na natureza de um tecido.

Displasia: Mudança ou desenvolvimento de tecido de forma anormal.

Neoplasia: o crescimento anormal de novos tecidos que geram um tumor.

Metástase: é a formação de uma nova neoplasia a partir de uma anterior localizada em outra região do

organismo. Só ocorre no caso de tumor maligno e, quando surge, é sinal de mau prognóstico.

 

Neoplasia Benigna: geralmente são observados os aspectos celulares que os origina e se respeita a estrutura onde estão localizados, não se reproduzindo uma vez removido.

 

Neoplasia Maligna: Crescimento celular anormal e atípico com alteração genética que tende a invadir o tecido e se reproduzir, mesmo que sejam removidos.

 

 

Podem haver vírus patogênicos, sem a presença de fungos, porém não fungos sem a presença de vírus.